Segunda Guerra Mundial

 

A história da Ford Company se mistura com a própria história da indústria automobilística. Mundial. Henry Ford, com sua capacidade de inovação e ainda nos anos 30, já tinha construído um império, com fábricas instaladas nos Estados Unidos (Dearbom MI), Grã-Bretanha (Dagenham), Canadá (Windsor), Austrália (Melboume), África do Sul (Port Elizabeth), Nova Zelândia (Lower Hutt), France (Poissy and Asnieres), Holanda (Amsterdam), Bélgica (Antwerp), Romênia (Bucharest), Alemanha (Cologne) e União Soviética (Gorki).

Imagens de bombardeiros aliados sobre a Europa na Segunda Guerra Mundial

 

Os veículos Ford sempre se caracterizaram pela robustez e pela padronização, sendo que os produtos oriundos destas diversas fábricas, normalmente, permutavam entre si peças e tecnologia. 

Com o advento da Segunda Guerra Mundial, durante o expansionismo nazista, os aliados usaram e encontraram os veículos Ford em quase todos os teatros da guerra, o que muito facilitou sua manutenção e operacionalidade. Os Grupamentos Mecânicos e os soldados estavam acostumados aos modelos e particularidades mecânicas destes veículos.

Com a proximidade da guerra, toda a produção da Ford foi sendo destinada ao esforço de guerra aliado, com os veículos Fords (especialmente carros e pequenos tanques) sendo entregues com cabines de aço, tipo civil ou com cabines adaptadas, de madeira e/ou lona, nas mais diversas aplicações e nos mais diversificados teatros de operações. Durante o conflito, até mesmo os alemães se renderam à funcionalidade dos veículos fordistas, ao utilizarem-nos nos teatros de guerra (havia uma fábrica da Ford em Colônia, que passou a destinar toda a produção para os germânicos).

Conheça as miniaturas de alguns desses veículos.

 

Fonte: Wikipedia e texto final de JL Cantanhêde

 

Caminhão militar Ford 1941 (réplica em resina e lona) para transporte de tropas e armamentos

Réplica (escala 1:32) do M-20 Armored Utility Car, veículo blindado usado pelo exército americano, na Segunda Guerra Mundial; era um carro de combate produzido pela Ford Motor Company entre 1941 e 1945. Com peso de 7 toneladas, 5m de comprimento, 2,31m de largura, 2,54m de altura, o veículo tinha capacidade para transportar até quatro soldados. Tinha uma blindagem de 15mm; foram produzidas 8.523 unidades

Foi criado inicialmente para missões de comando, mas como disponibilizava de boa velocidade foi utilizado mais adiante para reconhecimento. Muitos dos M20 foram usados também para transportes de pessoas e de cargas.

Carregava uma metralhadora .50 de 12,7mm, tinha motor Hércules JXD de seis cilindros, com 110cv; seu alcance era de 480km, e sua velocidade máxima era de 90km/h na estrada.

Avião B-24 Liberator - O Consolidated B-24 Liberator era o bombardeiro americano de maior produção que qualquer outro avião americano durante a Segunda Guerra Mundial, e foi usado pela maioria dos Aliados durante a guerra. Desenhado como um bombardeiro pesado, serviu não só nesse papel, mas também como bombardeiro de patrulha marítima (PB4Y) e como transportador pesado (C-87 ou C-109); a Ford produziu cerca de 11 mil unidades na fábrica de Willow Run, Michigan, a partir de 1941

 

Diorama sobre o Dia D: desembarque das tropas aliadas no Noroeste da França; no detalhe, os famosos Ford Jeeps GPW ("forte como uma mula e fiel como um cachorro"); réplica de resina

Pouco depois de o Jeep entrar em produção em massa, já com a Willys e Ford produzindo simultaneamente o MB e o GPW, o Departamento de Defesa americano foi alertado pelos militares da necessidade de um veículo de 1/4 de tonelada anfíbio, que teria papel importante em operações de desembarque, já imaginadas nas ações tanto no teatro europeu como no Pacífico, com a entrada dos Estados Unidos na guerra. Assim, em fevereiro de 1942, começaram os trabalhos de transformar o jeep num veículo anfíbio. Este trabalho de criação e desenvolvimento coube a Ford (usando inicialmente o GP e depois o GPW) e a firma Marmom Harrington (que usou o Willys MA), que colocaram seus protótipos em teste ao longo de alguns meses. Nascia o Ford GPA.

Réplica (resina e acrílico) do Ford GPA 1942

Considerado um utilitário para todo tipo de operação, o Ford Jeep GPW foi produzido entre 1941 e 1945; o termo GPW designava General Purpose Willys, e foi criado com quase todas as características do Jeep Willys; GP significava general purpose (uso geral) - como definira um jornalista e correspondente de guerra: "fiel como um cachorro, ágil como um cabrito e forte como uma mula"

Ford Jeep GPW 1943 (escala 1:43); a Companhia produziu cerca de 250 mil unidades, naquele período; todos eram marcados com a letra F, de Ford

O Ford GTB, chamado Jeep Birmânia (ou Burma), foi produzido durante a Segunda Guerra Mundial e foi usado primeiramente pela Marinha dos EUA e pelos Fuzileiros Navais, no Pacífico. O GTB teve várias nomenclaturas. O modelo desta miniatura é o GTB G-622 de 1,5 toneladas de 1942 e utilizava um guincho frontal. Tinha rodas traseiras duplas, e a área da cabine era separada pela parte superior da tampa do motor; 

havia um banco do passageiro dobrável diante do condutor.
O caminhão de carga (este da miniatura de resina, escala 1:30) tinha bancos para transporte de tropas e arcos para adaptação de lona. Outra utilidade do GTB Burma era para o guincho de bombas que seriam usadas no front de batalhas. Os caminhões desta série eram movidos por um motor Ford 6 cilindros de 226 cilindradas a gasolina, com 90 cv, acoplado a uma transmissão de 4 velocidades. A produção total dos Ford Jeep Burma durante a Segunda Guerra foi de 15 mil unidades. (Veja o detalhe da cabine com um banco do passageiro diante do banco do motorista)

Ford Jeep Burma 1942 (réplica em resina)

Desembarque de tropas aliadas, no Dia D, na França, em 1944; no detalhe, duas lanchas para assalto terrestre Ford LCA, que tinham motor V8 e que carregavam até 40 soldados; também podiam carregar pequenos veículos, como este Ford Jeep GPW

Réplica da tomada da cidade de Montese, Itália, pelos pracinhas da Força Expedicionária Brasileira (FEB), em 14 de abril de 1945; no detalhe, duas minis (resina) do Ford M-8 Greyhound, tanque de porte médio para reconhecimento e que usava motor Ford de 500cv; vemos o símbolo da FEB - uma cobra fumando, que ficou famoso, na época, pois diziam que era mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar na guerra; durante a campanha vitoriosa no Norte da Itália, a FEB libertou dezenas de cidades do domínio nazista

Réplica em resina do M8 Greyhound; Desenvolvido em julho de 1941, o M8 Greyhound foi construído nos Estados Unidos para ser 

um caçador de tanques nazistas, na Segunda Guerra Mundial. Em abril de 1942, a versão T22 da Ford para esse veículo foi selecionada pelo Exército americano a fim de ser empregado nas frentes de guerra. O seu canhão de 37mm e a sua metralhadora de 50mm, porém, não eram páreo para a blindagem dos tanques alemães. O veículo, então, passou a ter como função o reconhecimento de áreas de combate.

O caminhão halftruck Maultier (mula) foi construído com base no chassi V3000 S do caminhão Ford e usado pelos nazistas

Ford Maultier 1942 (réplica em resina e madeira), um caminhão-meia lagarta utilizado pelas tropas alemãs para deslocamento em locais de difícil acesso (como terrenos em neve)

Réplicas dos aviões P-47 Thunderbolt e P-51Mustang e dos carros Dingo Scout Car e Coupe De Luxe 

Avião bombardeiro P-47 Thunderbolt, que equipou os americanos e os brasileiros

 

Réplica em resina de um dos 65 aviões P47 Thunderbolt enviados pelas forças armadas americanas à FAB, durante a Segunda Guerra Mundial; no detalhe, o símbolo do Grupo - o Senta a Pua e as bombas a serem lançadas contra os nazistas na Itália; esta réplica foi pilotada pelo então capitã-aviador Rui Moreira Lima, pertencente ao Primeiro Grupo de Aviação de Caça da Força Aérea Brasileira - esquadrilha verde (uma das quatro que lutaram no teatro de operações da Itália, em 1944)

A formulação do primer usado nas aeronaves americanas (incluindo este P-47), contra corrosão e proliferação de matéria orgânica, foi desenvolvido pela Ford Motor Company no final dos anos 20, passando a ser utilizado na indústria aeronáutica e pelo corpo aéreo do Exército dos EUA, a partir de 1933; o primer não era 100% opaco, tendo um certo grau de translucidez, e o uso do pigmento preto nele dava mais resistência aos raios ultravioleta e mais tolerância ao desgaste em áreas de mais exposição, como o cockpit; todas as 65 aeronaves que equiparam a FAB tinham esse primer no porão de rodas, na parte interna das portas do trem de pouso e na parte interna do cowling dos motores; para diferenciar os P-47 brasielros dos aviões americanos foram pintadas na cauda das aeronaves da FAB as cores verde e amarela

 

Mini do P-51 Mustang - este famoso bombardeiro americano deu origem ao nome do também famoso Ford Mustang. O P-51 Mustang  foi um caça americano bem sucedido, com um longo alcance, que colocou novos padrões de excelente performance ao entrar em serviço em meados da Segunda Guerra Mundial, e continua a ser referido como o melhor caça com motor-piston alguma vez criado. A versão defintiva do caça de um único lugar era movido com um motor Rolls Royce carregando um único suporte com armamento de seis metralhadoras de calibre 50 (12.7mm). Foram construídos cerca de 14 mil unidades do caça, que voava a uma altura de 4km e a uma velocidade de 704km/h.

Ford Dingo Scout Car 1942 (veículo usado por tropas australianas) - réplica em resina; o nome Dingo homenageia um cão selvagem local

Apesar de não ter sido usado pelas Forças Aliadas no exterior, o Ford Dingo Scout Car foi um veículo militar importante fabricado pela fábrica da Ford, em Geelong, no Estado de Victoria, no sul da Austrália, de 1942 a 1945. Foram construídas 245 unidades. Além do Dingo carro blindado, a fábrica local da Ford produziu portadores de armas, minas marítimas, tanques de combustível de longo alcance para as aeronaves, barcos, rebocadores e docas flutuantes, além do recondicionamento de motores de aviões.

As especificações para o carro batedor foram emitidos pela direção de compras da Ford de veículos blindados de combate, e o veículo ficou conhecido como  Dingo. O chassi foi emprestado de um caminhão Ford de 1.361 quilos comercial e redução de comprimento de 3,4 m para 2,97 m, pesando 4,7 toneladas. Tinha motor Ford V8 de 85 cv.

O veículo tinha duas janelas de observação para a frente, que são abertas e fechadas do interior, bem como fendas visão em ambos os lados. Uma porta arma para uma metralhadora Bren situava-se entre as janelas de observação, e havia dois tanques de combustível de 21 litros localizado na parte traseira. O Ford Dingo foi substituído pelo canadense Ford Lynx Mk3.

Ford Coupe 1940 adaptado para uso militar (transporte de oficiais aliados)

Ford planador WACO CG-4A (réplica em resina e madeira); foi o planador de assalto mais produzido na Segunda Guerra Mundial; desenvolvido em 1942, um total de 14.909 unidades foi feito durante a guerra; a Ford produziu cerca de mil unidades, em Michigan. Transportava um total de 15 homens, incluindo piloto e co-piloto; cargas alternativas  incluíam um jipe e um motorista, rádio-operador e um soldado, um obuseiro de 75mm com 25 tiros e dois artilheiros; o peso-limite de decolagem era de 4,08 toneladas. Toda a seção do nariz (incluindo a cabine do piloto) pivotava para cima, permitindo a descarga e o desembarque de veículos diretamente

Essas aeronaves sem motor, que tinham cerca de 14 metros de comprimento, eram rebocadas até o voo pelo avião Douglas DC-3 C-47 (avião de transporte de cargas e de paraquedistas); por causa de sua fragilidade, esses planadores foram facilmente abatidos pela artilharia antiaérea alemã

Réplica (resina) em escala 1:42 do Ford C11 ADF 1942, carro fabricado no Canadá entre 1942 e 1945 para os exércitos inglês e canadense; baseado no Ford Woody Wagon americano, serviu para o staff  do exército inglês, em especial ao marechal de campo Harold Alexander, na campanha do Norte da África

Tanque M26 Pershing (usado pelas tropas aliadas a partir de novembro de 1944, tinha motor Ford GAF a gasolina, o que conferia 500 cv)

O popular tanque médio M4A3 Sherman, usado por tropas americanas e que tinha motor Ford de 500cv; foram construídas 50 mil unidades

Foram construídos, a partir de 1941, mais de 50 mil tanques acrescidos de centenas de veiculos derivados, denominadas com número de modelo diferente e capacidades concretas, sendo fabricados 2 mil tanques por mês, construidos em onze fábricas diferentes nos Estados Unidos. Os veículos derivados eram veículos de transporte, artilharia autopropulsada, destruidores de tanques e veículos de socorro; a Ford Motor Company equipou três variantes do Sherman com motores V8 de 500 cv: M4A3W (2.915 unidades), M4A3E2 (1.690 unidades) e M4A3E8W (254 unidades), num total de 4.859 motores produzidos na Segunda Guerra Mundial.

Réplica do míssil Ford JB 2 Loon (resina, areia e madeira)

Desenvolvido em 1944 e planejado para ser usado pelos Estados Unidos na invasão do Japão, o JB 2 nunca foi usado em combate; nos testes aéreos de 1944, o míssil foi disparado pelo avião B-17, a fortaleza voadora, em Eglin Field, costa da Flórida

Réplica do B-17, a fortaleza voadora

O Ford JB-2 Loon sendo lançado da fortaleza voadora B-17 durante teste de arma sobre a costa da Flórida 

O míssil em exposição no museu da aviação, nos Estados Unidos; no total, foram feitas 1.391 unidades dessa arma

Miniaturas em resina (escala 1:43) de Fords 1934 adaptados para transporte de oficiais aliados