O pé grande

 

Conhecido como monster truck, o Big foot, ou pé grande, é um dos veículos mais populares dos Estados Unidos.

A história do monstro começa em 1975, quando um ex-trabalhador da construção civil de Saint Louis, Missouri, Bob Chandler, começou a construir seu primeiro veículo, utilizando um Ford F-250 com tração nas quatro rodas. Ele utilizava esse caminhão para trilhas off road, nos finais de semana.

Em 1979, com sua esposa Marilyn, Bob começa a fazer aparições com seu bigfoot em exposições de carros pelos Estados Unidos, e a popularidade da máquina começa a crescer pelo, daqui por diante.

Em 1981, Bob teve a ideia de colocar o Bigfoot em uma fazenda para fazer demonstrações de força em cima de carros velhos ou sucatas. O sucesso também foi estrondoso, e até hoje essas apresentações são bastante populares em estádios de futebol, beisebol e fazendas particulares.

Em 1988, foi criada a Associação The Monster Truck Racing, nos Estados Unidos, para regulamentar normas de segurança e de competição para esses caminhões-monstro. Nos anos 90, competições de estilo livre tornaram-se altamente populares, e tornaram-se uma tendência fora dos EUA.

Em 1998, o Bigfoot esteve no Brasil, fazendo demonstrações no interior de São Paulo.

A estrutura de um bigfoot baseia-se no chassi de uma picape ou camionete, equipada com pneus de máquinas pesadas gigantescos, tudo isso seguro com enormes suspensões.

 

Fontes: Wikipedia e Portal Carros on line

 

 

Os Bigfoot da coleção: minis de Ford F-150 2005 com seus pés grandes

Pneus gigantescos e suspensões fortíssimas compunham o corpo do monstro

O logotipo: "Construído forte, para aguentar o tranco"

O Pé Grande participa de demonstrações e de competições nos EUA e no mundo

Ford F-150 2009

Uma F-150 2005 Pé Grande '"a caminho do trabalho"

Vou contar uma pequena história: em outubro de 2006, perto do local em que trabalho, aqui em BH, MG, eu vi este Bigfoot (uma Ford F-1000 1998) transitando pela avenida, na Zona Sul;

Como eu não estava com máquina fotográfica na ocasião, perdi uma ótima chance de registrar as pegadas, ou melhor, a passagem do gigante;

E qual não foi minha surpresa quando, em março de 2010, ao ir a um shopping da Zona Oeste de BH, deparei-me, em uma revenda de carros, com o mesmo Bigfoot de quatro anos atrás; só que, desta vez, a máquina fotográfica estava a postos, e aqui estão os registros;

Quem disse que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar?