A Ford na aviação

 

Após o fim da Primeira Guerra Mundial, Henry Ford reconheceu o potencial de massa do transporte aéreo. Com esse objetivo, criou o avião Ford Trimotor 4-AT, apelidado de "The Tin Goose," (o ganso de lata), concebido para um novo mercado - as viagens aéreas. 

Para ganhar a confiabilidade do público, a Ford desenvolveu três motores e funcionalidades para a aeronave, adicionadas ao conforto dos passageiros. Os três primeiros trimotores foram construídos de modo que o piloto ficasse sentado em um cockpit aberto, pois muitos pilotos ainda duvidavam que um avião poderia ser feito sem diretas "de sentir o vento". 

De 1926 a 1933, a Ford Motor Company construiu 199 trimotores, com capacidade para 12 passageiros (incluindo o piloto e co-piloto). O primeiro vôo aconteceu no dia 21 de agosto de 1929. Neste mesmo ano, a empresa foi vendida para a Eastern Air Transport, que mais tarde se tornou Eastern Airlines. 

As especificações do Ford 4-AT Trimotor eram as seguintes: capacidade de combustível – 234 galões de gasolina; 15 metros de comprimento; 3,65 metros de altura; 4,6 toneladas de peso; velocidade máxima – 162 km/h. 

Apesar de Henry Ford não ter buscado lucro com seu novo negócio, sua reputação deu credibilidade à indústria da aviação, ajudando a introduzir muitos aspectos da moderna infraestrutura da aviação atual, como pistas pavimentadas, terminais de passageiros, hangares, correio aéreo e navegação por rádio.

 

Fonte: Textos Wikipedia e Michigan Aircrafts Manufacturers

 

Réplica do Ford Van Auken 1909, avião monomotor que Henry Ford mandou construir para o filho Edsel, em 1909

Edsel Ford, filho de HF, quando tinha 15 anos de idade, em 1909, era fanático por aviação. Henry Ford alugou para ele (Edsel) um pequeno celeiro na Avenida Woodward 1302, em Detroit, onde ele estava construindo tratores experimentais a partir de componentes do Ford Modelo T. HF deu permissão a Edsel e a três de seus empregados para construírem um avião usando o motor do Ford Modelo T.

Charles Van Auken, um amigo de infância de Edsel, foi o designer e piloto de teste. Edsel o ajudou no trabalho de pesquisa e na construção da máquina. A unidade final tinha lugar apenas para o piloto, um monoplano de asas altas com direção direta do motor de 28hp do Ford Modelo T

Os controles eram convencionais, exceto a ação dos ailerons, que era obtida pelo entortar das asas – cangas anexadas aos ombros do piloto, de tal forma que, se ele apoiasse para a direita, a asa direita descia e vice-versa. Os primeiros voos, em 1910, foram feitas de uma fazenda recentemente adquirida por Henry Ford, em Dearborn, Michigan; o avião chegou a voar por alguns segundos a cerca de 1,80m do solo.

Foto do Ford Van Auken 1909 na fazenda de Henry Ford, em Dearborn, USA

Foto do Ford Van Auken pronto para o primeiro voo, em 1910, na fazenda de Henry Ford, em Dearborn, USA; à direita, Charles Van Auken, piloto de teste e designer do projeto

Os aviões Ford Trimotor 4-AT da coleção: a partir da esq.: 1928, 1930 e 1927

Ford Trimotor 4-AT 1930 (metal)

Ford Trimotor 4-AT 1927 (plástico)

Ford Trimotor 4-AT 1928 (resina)

UM PASSEIO PELO FORD TRIMOTOR 4-AT 1929

Réplica do B-24 Liberator, famoso bombardeiro da SGM produzido pela Ford

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Ford produziu cerca de 11 mil bombardeiros B-24 Liberator (em quatro variantes diferentes), que transportava quase seis quilos de bombas; a produção era na fábrica de Willow Run, Michigan; tinha 21 metros de comprimento e conduzia até 10 tripulantes


Miniatura (resina, arame, madeira) do Ford Flivver 1927, avião monomotor que Henry Ford mandou construir para ser o "Modelo T do ar", a aeronave do homem comum; Ford o revelou em seu 60º aniversário, no dia 30 de julho de 1926 

Este modelo - o 268 - foi o primeiro dos cinco fabricados pela Ford; era feito de madeira, tubos de aço e tecido; tinha motor de três cilindros, que conferia uma velocidade máxima de 145km/h; media 4,72m de comprimento, pesava 227kg e tinha capacidade para apenas um tripulante

Para popularizar seu pequeno avião, Henry Ford convidou o famoso piloto americano Charles Lindbergh para comandar a aeronave em 11 de agosto de 1927

Mas o piloto de testes do Flivver foi Harry Brooks, empregado de Ford, que morreu em um acidente em um voo sobre a Flórida, em 1927

Após essa fatalidade, Ford abandonou o projeto; uma réplica do avião está exposta atualmente no Museu Henry Ford, em Michigan