Comissão de frente

 

É cada vez mais notado o interesse do consumidor, no momento da aquisição de um veículo, em algum detalhe que vai cativá-lo (além, é claro, da própria potência do motor do automóvel). São pequenas características no design automotivo que não passam despercebidas aos olhos de quem tem certeza na escolha.

Se é correto afirmar que todo o conjunto de um carro influi bastante na decisão final do consumidor, alguns aspectos, como a parte dianteira do automóvel, também são fatores importantes.

 

A Ford imortalizou alguns veículos por meio das comissões de frente, uma espécie de identidade visual, de atrativo na “face” de seus produtos. Parecia haver uma nova atitude da companhia, um interesse renovado na promoção de seus carros.
Dessa forma, Mustangs, T-Birds, Fords 49, Fords dos anos 30, dentre outros, destacaram-se significativamente pelo impacto visual de suas partes dianteiras.
Também havia os ornamentos nos capôs ou mascotes dos carros, modelos feitos artesanalmente em bronze, latão ou zinco, que simbolizavam a companhia como um crachá – é o caso do Ford Greyhound Ornament, uma réplica do cachorro galgo, famosa raça de cães de corrida nos Estados Unidos. Esse ornamento enfeitou alguns carros da empresa, nos anos 30, como o Ford Deluxe 1934 e 1936 Fordor.
Conheça esses veículos que estão na coleção:

 

 

• Ford Mustang – sua grande identidade visual é o cavalo selvagem na grade frontal e os faróis arredondados ou retangulares; nos modelos Shelby, há uma serpente no lado direito da grade e duas faixas paralelas desenhadas sobre o capô e o restante do corpo. Em vários modelos, percebe-se uma abertura no capô, para ventilação do motor; nos anos 80, o carro era vendido sem sua marca visual, que só voltaria em 1993;

Algumas faces do Ford Mustang: nos anos 80, o muscle car perdeu sua identidade visual fronta (o cavalo selvagem) para retornar nos anos 90

• Ford 49 – o mais marcante aspecto do desenho estava na grade: bem em seu centro havia um elemento que fazia alusão a uma turbina de avião, o que o Studebaker 50 imitaria, levando a idéia um pouco além no chamado estilo “nariz-bala”. Essa associação visutal de tecnologia bélica, principalmente da aeronáutica, viraria uma forte tendência nos carros americanos dos anos 50;

Ford 1949 e o frontal inconfundível: a chamada "turbina de avião"

• Algumas faces do Ford Thunderbird – primeiro conversível americano, sua dianteira tinha uma abertura no capô, uma grade cromada frontal do radiador e o desenho de um pássaro (o pássaro do trovão), na ponta do capô; o modelo foi revitalizado em 2002 e saiu de linha em 2005; em ambos os modelos, não havia o logotipo da companhia;

 

As várias caras do Ford Thunderbird - percebe-se que em todas as 11 gerações o símbolo do pássaro frontal permaneceu

• Ford Edsel Citation  – as proporções exageradas da frente davam origem a piadas e afastavam compradores de gosto mais tradicional; ao se defrontar com o carro,  o público se espantou com a enorme abertura central da grade (conhecida como boca de idoso), ressaltada com seus faróis duplos; como, em 1957, nem todos os Estados americanos permitiam esses faróis, o automóvel foi desenhado para acomodar tanto duas lentes de 14 centímetros de diâmetro quanto uma simples de 18 cm;

 

A aparência do Ford Edsel Citation não era lá essas coisas: o frontal tinha uma abertura estranha (apelidada de "boca de velho"); o carro foi o maior fracasso de vendas da companhia, no final dos anos 50

• Ford Modelo B 1904 – um dos antecessores do Modelo T, foi o primeiro carro americano a apresentar leiaute frontal para o motor de quatro cilindros e radiador convencional, uma novidade na época;

Ford Modelo B 1904 - primeiro carro feito por Ford que tinha motor frontal

• Ford Modelo T – eleito o Carro do Século XX, inovador em vários itens, como faróis a carbureto, grade frontal e uma alavanca para auxiliar nas emergências de pane do motor; claramente visível na base do carro, a suspensão tinha eixos rígidos e molas semielípticas na frente e atrás; tinha para-brisas duplos na dianteira;

Ford Modelo T Touring 1913 com seus parabrisas duplos e a alavanca de emergência

Ford Modelo T Speedster 1913

• Ford Modelo A – sucessor do Modelo T, a sua dianteira tinha grade frontal retangular e as aletas de ventilação do motor, nas laterais, ficavam paralelas ao capô; o logotipo da empresa, que apareceu no modelo em 1928, ficava na ponta do capô; os parachoques dianteiros e traseiros, ligeiramente para frente do carro,  tinham extremidades abertas; havia uma haste que prendia os faróis em cada um dos paralamas (réplica em escala 1:18 do modelo de 1931);

Ford Modelo A 1931 com parachoque vazado e haste de união dos faróis

• Ford De Luxe 1936 Cabriolet – este modelo trazia no topo e na ponta do capô um ornamento chamado Ford Greyhound Ornament, feito de latão, bronze ou zinco, numa alusão à raça de cães galgos (famosos nos Estados Unidos por participarem de competições);

A maioria dos carros de luxo da Ford dos anos 30 trazia um ornamento na ponta do capô, como este Cabriolet de 1936

• Novo Ford Focus – Muita ousadia. Essa é a proposta da empresa para o novo modelo; o design dianteiro, comum aos modelos Sedan e Hatch, é acentuado pelo pára-brisa avançado e capô em formato de cunha, curto e com superfície lisa. A coluna dianteira em ângulo inclinado dá dinamismo e fluidez de design e proporciona percepção de mais espaço interno. A grade inferior em formato trapezoidal é marcante e de forte impacto visual. Os faróis halógenos são elegantes, eficientes e de design detalhado, rico e fluido (réplica de 2008, escala 1:32); a versão 2013 aparece com o visual do “bocão”;

Ford Focus WRC 2009 com o "bocão" frontal

• Novo Ford KA – o remake deste sucesso da empresa fez as linhas do carro muito mais bonitas que a versão anterior, com uma dianteira mais encorpada; os faróis alongados, com lentes transparentes, exibem superfícies e texturas internas trabalhadas, além de proporcionar grande eficiência luminosa; os piscas dianteiros ficam alojados em um elemento de estilo “canhão”; a grade, na cor da pintura do carro, é discreta e dá mais elegância;

Ford Ka 2008 (um remake com três grades frontais); a atual geração já tem o chamado "bocão"

• Ford GT 2005 - Elementos essenciais do carro original (o Ford GT-40), como o perfil baixo de linhas musculosas e o motor V8 de montagem central, foram mantidos na nova interpretação do clássico. Mas as dimensões são diferentes: o novo carro é cerca de 45 centímetros mais longo e 10 centímetros mais alto, refinando os melhores conceitos do Ford GT. As linhas sutilmente acentuadas e os faróis com lâmpadas de descarga de alta intensidade lhe acrescentam um toque contemporâneo.  A frente longa é uma reminiscência dos carros de corrida dos anos 60. A linha acentuada do capô percorre toda a carroceria, integrando-se ao aerofólio em formato "rabo de pato" deste “Supercarro do Centenário”, lançado pela companhia em 2005 (réplica em escala 1:24);

 

Ford GT 2005 e sua frente longa

• Ford Rural – este pai dos utilitários brasileiros manteve quase os mesmos padrões do veículo americano, que surgiu em 1946. Devido às péssimas condições das estradas brasileiras, a então Willys Overland resolveu investir no Brasil. Com isso, nas décadas de 60 e 70 a empresa fez várias adaptações no modelo, dentre as quais a introdução da suspensão dianteira independente com molas helicoidais (igual o Aero Willys) no novo modelo 4x2 "Luxo";  nova grade dianteira em aluminio anodizado;  introdução de novos paralamas dianteiros e nova frente que seria mantido até o final da produção. Introdução de vidros inteiriços na frente, substituindo os vidros bipartidos.

Ford Rural 1974 e as grades frontais duplas

• Ford Starliner 1960 – este clássico e autêntico “rabo de peixe” americano dos anos 60 possuía, dentre suas características, uma dianteira que incluía um longo capô, faróis arredondados integrados com a grade cromada e parachoques também cromado;

Ford Starliner 1960 e seus faróis arredondados

• Ford Fusion - Com visual arrojado, o Fusion chama atenção pelo tamanho, de acordo com a Ford, o maior do segmento. As linhas são harmoniosas entre a frente e a traseira, favorecendo à aerodinânica. Dentre os detalhes de acabamento, o destaque é a grade dianteira cromada com três barras horizontais grossas e a nova logomarca. Os faróis têm formas trapezoidais com células independentes. Em volta das lanternas foi desenhada uma moldura cromada. a versão 2013 aparece com o visual do “bocão”

A antiga geração do Fusion (com frontal de grades prateadas)

A atual geração do Fusion (com o "bocão")


Fontes: Texto inicial de JL Cantanhêde e Wikipedia